Convite para debate sobre Fanatismo – 27/11/2016 – Búzios-RJ

No dia 27 de novembro de 2016, domingo, acontecerá um encontro dedicado ao tema do fanatismo. Mais uma iniciativa fruto da parceria feita pelo Instituto Vox com o Corpo Freudiano do Rio de Janeiro, a Aprés-Coup (New York) e a Insistance (Paris), este evento acontecerá no Hotel Ferradura Resort, em Búzios, RJ.
Haverá encontros preparatórios para esse debate, transmitidos pela internet para os membros e participantes do Instituto Vox e os outros três espaços envolvidos. Também serão realizadas comunicações sobre diferentes questões da Psicanálise entre os quatro espaços de transmissão, com o objetivo de aproximar e tornar íntima a presença de cada um. A partir destas iniciativas, há uma aposta na possibilidade de construir condições para o compartilhamento de questões relativas à formação do psicanalista e aos impasses que habitam sua autorização.

Clique aqui caso queira ser informado sobre este e os demais eventos promovidos pelo Instituto Vox.

Jornadas de trabalhos

O Instituto Vox promove anualmente jornadas de apresentação de trabalhos nas quais seus membros e participantes podem trazer a público os resultados parciais de suas pesquisas, bem como engajar os demais participantes na produção de trabalhos que tangenciem o tema estudado. A jornada anual é, portanto, o final de um longo processo, que se inicia com a escolha de um tema e se estrutura por meio de uma série de encontros preparatórios ao longo do ano que, ao final, comporão as Jornadas, realizadas como um evento aberto ao público.

No ano de 2016, a jornada terá como tema “A Voz Surda”, título extraído do livro de autoria de Michel Poizat. Ela acontecerá no dia 20 de agosto de 2016, sábado, das 10h às 13h e das 14h às 17h, na sala de convenções do Flat Matiz Manhattan (Rua Haddock Lobo, 867, Jardim Paulista, São Paulo- SP). Todos os trabalhos serão apresentados no formato de debate aberto ao público.

Atividade aberta ao público em geral com pagamento no local (R$70,00 para membros e participantes do instituto; R$100,00 para demais interessados). Vagas limitadas. Para se inscrever, envie um e-mail com título “Reserva de lugar para jornada Voz Surda” para contato@voxinstituto.com.br.

Diversidades Analíticas

No espaço das Diversidades Analíticas, o Instituto Vox convida um palestrante (interno ou externo) que possa falar e tornar pública sua pesquisa, desenvolvida de modo particular por caminhos trilhados fora de nosso instituto. Assumindo que há algo de singular que liga o desejo do psicanalista à sua prática, este espaço pretende privilegiar a diversidade de aportes em nosso meio, bem como se oferece como veículo privilegiando o debate e não uma exposição de um saber já cristalizado. Nesse exercício, cada convidado escolhe seu próprio debatedor, que tem a função de inaugurar questões que, posteriormente, abrem-se ao público presente.

Esta atividade acontece uma vez por mês, sempre às quartas-feiras, das 20h15 às 22h, no IPESSP (Al. Franca, 1604, Jardim Paulista, São Paulo-SP). Consulte a agenda para conhecer as datas e os convidados desta atividade.

Atividade aberta ao público, com entrada franca, sem necessidade de inscrição prévia.

Seminário

Desde sua raiz latina, seminário evoca o lugar no qual ideias são semeadas, ou seja, causam o nascimento de elaborações. Ele segue, no percurso de Lacan, diferentes momentos nos quais podemos acompanhar sua relação com Freud., seja no sentido de retomar os textos freudianos, esclarecendo e criticando os conceitos neles presentes, ou de avançar numa direção não coincidente com a da obra do fundador da Psicanálise.
Para cada um daqueles que se autorizam em levar adiante a iniciativa de um seminário, trata-se de fazer chegar ao público questões articuladas a partir do solo adubado pelos fundadores. Tal como esclarecido no texto “Sobre o Instituto”, o seminário teve início a partir da retomada da clínica psicanalítica pelas psicoses. O fio condutor, enquanto voz que brotou dessa iniciativa teve continuidade com desdobramentos que se apresentaram relativos à economia do fantasma pela neurose obsessiva. Na sequência, terão a mesma abordagem pela neurose histérica.

***

Seminário vigente no primeiro semestre de 2017: A voz na neurose histérica

O Seminário retoma os três encontros anteriores realizados sob o mesmo tema, no segundo semestre de 2016, os quais se encontram disponibilizados no site do Instituto Vox.
O objetivo de agora é levar adiante o que foi apresentado, sob a forma de uma retomada da histeria em Freud e Lacan, considerando os seguintes tópicos:
1-A diferença da abordagem do caso Dora é ilustrativa de uma posição não coincidente entre os dois autores em relação a transferencia, à questão histérica, tanto quanto da passagem e as condições que poderiam franquear o acesso a uma posição feminina, distinta da feminilidade freudiana.

2-Uma vez que o conceito de voz, através de Lacan, vai se dissociar do sonorizável, passando a incluir a castração simbólica, tanto quanto o objeto causa de desejo, se faz necessário analisar os diferentes momentos de travessia das identificações, de forma a contemplar uma posição em que a voz se torna solidária da causação pelo desejo, na histeria.

3-A relação estreita que se nota entre histeria e saber, colocado em evidencia em seu discurso como apelo ao mestre, inclui a questão, hoje, do que se entende como significantes mestres que organizam as demandas na cultura. Um esclarecimento sobre o lugar da ciência, tanto quanto do capitalismo, levam a conceber um tipo de investimento do olhar que se estrutura por uma voz, cativante à histérica.

***
Seminário vigente no 2º semestre de 2016

Neste semestre o seminário conduzido por Mauro Mendes Dias, abordará  A voz na neurose histérica. O objetivo é dar prosseguimento às elaborações que foram iniciadas sobre a voz na neurose obsessiva tomadas desde a economia do fantasma, como condição para articular tanto os sintomas quanto os impasses no tratamento com tais sujeitos.

Esta atividade é aberta ao público em geral, sem necessidade de inscrição prévia e com  pagamento feito no local, diretamente com Santuza Cavalini, no valor de R$70,00 por encontro, Pede-se chegar com 10 minutos de antecedência.

Dia e Local: sempre aos sábados, das 10h às 13h, na sala de convenções do Flat Matiz Manhattan (Rua Haddock Lobo, 867, Jardim Paulista, São Paulo-SP). Consulte a Agenda para conhecer as datas da atividade.

Grupo Clínico

Espaço destinado à discussão clínica com intuito de tecer a amarração entre a prática do psicanalista e a rede conceitual que lhe dá balizas, um exercício sempre atravessado pela posição diferencial que o analista ocupa na transferência, caso a caso. Traduzir em palavras questões originadas na clínica convoca a um esforço de perspectiva, pois ao falar a um outro o sentido anteriormente congelado na cena se dissipa, provocando torções e revisões das condições clínicas em jogo.

O Grupo Clínico ocorre uma vez por semestre, sempre às quartas-feiras, das 20h15 às 22h, no IPESSP, (Al. Franca, 1604, Jardim Paulista, São Paulo-SP).

Veja as datas dos encontros na Agenda.

Esta atividade é restrita aos membros e participantes do Instituto Vox que se declararam analistas praticantes, de acordo com as Modalidades de Inserção no Instituto.

Grupos de comentário de textos de Jacques Lacan

Realizar grupos voltados à leitura e comentário de textos replica um dos alicerces fundamentais da Psicanálise no que tange à transmissão do saber construído num esforço de articulação com a verdade experimentada na clínica. A prática de comentário de texto foi o próprio exercício que fundou o ensino lacaniano. No início da década de 1950, Jacques Lacan, ao discordar da substancial distância que seus contemporâneos estavam tomando dos textos de Freud, propôs que todos buscassem os conceitos diretamente na fonte e, assim, inaugurou seu ensino sob a rubrica da proposta de realizar um retorno a Freud.

Os primeiros encontros desse grupo aconteciam nas dependências da casa de Lacan, num contexto onde elegeu o enigmático caso do “Homem dos Lobos” como primeiro texto da obra freudiana a ser debatido (Roudinesco, 1994). Na sequência, em 1952 debruçou-se sobre o “Homem dos Ratos”, célebre caso de Freud, realizando um comentário de texto que hoje está publicado sob o título “O mito individual do neurótico”. No ano seguinte, seu primeiro seminário (Lacan, 1986) aberto ao público geral se manteve na proposta de ler os textos de Freud. A lógica instituída nos grupos de comentário de textos foi preservada em seu seminário, no qual Lacan demandava incansavelmente que todos contribuíssem com sua leitura particular para fazer avançar o ensino de modo coletivo:

“Eu me endereço aqui àqueles que fazem parte do grupo de psicanálise que representamos. Gostaria que vocês dessem conta que, se ele está constituído como tal, no estado de grupo autônomo, é para uma tarefa que não comporta nada menos para cada um de nós, do que o futuro – o sentido de tudo que fazemos e teremos a fazer na continuação de nossa existência. Se vocês não veem para colocar em causa toda sua atividade, não vejo porque estão aqui.” (Lacan, 1952/53, p. 16)

Considerando o fundamento no ensino de Jacques Lacan, a atividade de Comentário de Texto se estrutura a partir de grupos independentes entre si. De acordo com o projeto do Instituto Vox, as leituras de textos visam a construir em paralelo um rastreamento das diversas incidências da voz ao longo dos seminários de Lacan.

Referências:

ROUDINESCO, Elizabeth. Jacques Lacan: esboço de uma vida, história de um sistema de pensamento. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

LACAN, Jacques. O Mito Individual do Neurótico (1952). Tradução: Claudia Berliner. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

LACAN, Jacques. O Seminário, livro 1: Os escritos técnicos de Freud (1952/53). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

***

No ano de 2017, vigora um grupo, destinado a comentar o Seminário 4: A relação de objeto, dirigido por Maria Cristina Prandini.

Veja o local e as datas dos encontros na Agenda.

***
No ano de 2016 vigoraram 3 grupos, cada um deles destinado a comentar um seminário de Jacques Lacan: 1) grupo do Seminário 1: Os Escritos técnicos de Freud; 2) grupo do Seminário 2: o Eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise; 3) grupo do Seminário 3: As psicoses. Cada grupo foi dirigido por um coordenador, mas conta com a necessária leitura de seus pares.

Cada grupo se reúnia uma vez por mês, sempre às quartas-feiras, das 20h15 às 22h, no IPESSP, (Al. Franca, 1604, Jardim Paulista, São Paulo-SP).

Veja as datas dos encontros na Agenda.

Esta atividade é fechada, restrita aos membros e participantes do Instituto Vox.

Apresentação de pacientes

A atividade de apresentação de pacientes é realizada desde antes da criação do Instituto Vox. Ela se mantém como eixo privilegiado nas elaborações levadas adiante no Seminário ministrado por Mauro Mendes Dias. Desde sua origem, estrutura-se em parceria com quatro outras instituições: Hospital São João de Deus e Hospital Nossa Senhora de Fátima (locais das apresentações); Rede de Pesquisa sobre as Psicoses do Fórum do Campo Lacaniano em São Paulo (FCL-SP); Associação Tykhe de Psicanálise e Seminário das Psicoses realizado no Centro de Estudos Psicanalíticos (CEP).
Tal atividade visa promover um encontro com o sujeito psicótico dentro da instituição em que está internado, oferecendo-lhe condições para expor sua fala e a possibilidade de tomada de decisões dentro do diálogo que lhe é proposto. Tais condições, acordadas e repassadas com vistas a sua inclusão na experiência, permitem que, numa primeira entrevista diante do público (que permanece em silêncio), o laço com o psicanalista seja sustentado. A prática de apresentação de pacientes esteve em curso durante todo o período de ensino de Jacques Lacan, que deixou como legado um novo lugar para o paciente no qual ele é colocado como sujeito em sua singularidade, não como ilustração de um saber pré-constituído, tal como acontece na psiquiatria.
Para dar continuidade a tal legado lacaniano, a orientação seguida no Instituto Vox considera a importância dos diferentes momentos de elaboração da atividade de entrevista, discussão com o público e retomada em Outro lugar. Participar da apresentação pública de um paciente, em que as condições éticas estejam asseguradas pelas instituições que ali se comprometem, incide diretamente na formação do psicanalista em seu caráter de extensão da Psicanálise, bem como contribui para que um saber marcado por fracassos reconquiste seu lugar decisivo no saber do psicanalista e no compromisso com o campo social.
Esta atividade é fechada e restrita aos membros, participantes e convidados do Instituto Vox.
As apresentações de pacientes ocorrem sempre aos sábados pela manhã. Consulte as datas na Agenda.

A Alteridade Feminina – Carmen Gallano

A alteridade feminina é um dos nomes da “não-relação”, como formulado por  Lacan à questão deixada em aberto por  Freud sobre o enigma da mulher. Dando as provas  do rigor pela disciplina do comentário, Carmen Gallano, dona de estilo claro e pujante,  nos conduz  por um caminho no qual se destacam os recortes das suas leituras dos textos lacanianos  “O Aturdito” e “Mais Ainda”. O limite da lógica fálica e seu contraponto com a lógica do não-todo prestam suporte para tratar assuntos como a patologia do amor nas mulheres, as aflições no laço amoroso, a Alteridade X Identidade X Diferença, a singularidade feminina e as novas formas de família. Gallano marca pelo traço de uma pesquisa eminentemente clinica.

Thais Roitman
Psicanalista