Grupos de comentário de textos de Jacques Lacan

Realizar grupos voltados à leitura e comentário de textos replica um dos alicerces fundamentais da Psicanálise no que tange à transmissão do saber construído num esforço de articulação com a verdade experimentada na clínica. A prática de comentário de texto foi o próprio exercício que fundou o ensino lacaniano. No início da década de 1950, Jacques Lacan, ao discordar da substancial distância que seus contemporâneos estavam tomando dos textos de Freud, propôs que todos buscassem os conceitos diretamente na fonte e, assim, inaugurou seu ensino sob a rubrica da proposta de realizar um retorno a Freud.

Os primeiros encontros desse grupo aconteciam nas dependências da casa de Lacan, num contexto onde elegeu o enigmático caso do “Homem dos Lobos” como primeiro texto da obra freudiana a ser debatido (Roudinesco, 1994). Na sequência, em 1952 debruçou-se sobre o “Homem dos Ratos”, célebre caso de Freud, realizando um comentário de texto que hoje está publicado sob o título “O mito individual do neurótico”. No ano seguinte, seu primeiro seminário (Lacan, 1986) aberto ao público geral se manteve na proposta de ler os textos de Freud. A lógica instituída nos grupos de comentário de textos foi preservada em seu seminário, no qual Lacan demandava incansavelmente que todos contribuíssem com sua leitura particular para fazer avançar o ensino de modo coletivo:

“Eu me endereço aqui àqueles que fazem parte do grupo de psicanálise que representamos. Gostaria que vocês dessem conta que, se ele está constituído como tal, no estado de grupo autônomo, é para uma tarefa que não comporta nada menos para cada um de nós, do que o futuro – o sentido de tudo que fazemos e teremos a fazer na continuação de nossa existência. Se vocês não veem para colocar em causa toda sua atividade, não vejo porque estão aqui.” (Lacan, 1952/53, p. 16)

Considerando o fundamento no ensino de Jacques Lacan, a atividade de Comentário de Texto se estrutura a partir de grupos independentes entre si. De acordo com o projeto do Instituto Vox, as leituras de textos visam a construir em paralelo um rastreamento das diversas incidências da voz ao longo dos seminários de Lacan.

Referências:

ROUDINESCO, Elizabeth. Jacques Lacan: esboço de uma vida, história de um sistema de pensamento. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

LACAN, Jacques. O Mito Individual do Neurótico (1952). Tradução: Claudia Berliner. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

LACAN, Jacques. O Seminário, livro 1: Os escritos técnicos de Freud (1952/53). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

***

No ano de 2017, vigora um grupo, destinado a comentar o Seminário 4: A relação de objeto, dirigido por Maria Cristina Prandini.

Veja o local e as datas dos encontros na Agenda.

***
No ano de 2016 vigoraram 3 grupos, cada um deles destinado a comentar um seminário de Jacques Lacan: 1) grupo do Seminário 1: Os Escritos técnicos de Freud; 2) grupo do Seminário 2: o Eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise; 3) grupo do Seminário 3: As psicoses. Cada grupo foi dirigido por um coordenador, mas conta com a necessária leitura de seus pares.

Cada grupo se reúnia uma vez por mês, sempre às quartas-feiras, das 20h15 às 22h, no IPESSP, (Al. Franca, 1604, Jardim Paulista, São Paulo-SP).

Veja as datas dos encontros na Agenda.

Esta atividade é fechada, restrita aos membros e participantes do Instituto Vox.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *